Buscar
  • Modaparamim

A rotina pode ser uma experiência estética?


(Obra Xifópagas Capilares Entre Nós - Tunga - 1984)



Em dias de quarentena acordamos embalados pelo ritmo dos astros. Pedimos licença e arejamos a casa. Enquanto Gil e Caetano falam de expresso e cajuína, exercito a capacidade de achar novas brechas no mar enquanto corto as unhas.


Tenho tentado viver um dia de cada vez. Hoje, conversando com minha irmã, percebi que não tenho "mara-tonado" séries e filmes mas livros, artigos, conteúdos. O ritmo aqui tem sido mais lento, intenso, trabalhoso. Raquel também é professora universitária como eu. Ou melhor, eu que também sou professora universitária como Raquel. Raquel é uma grande referência, sabe aquelas irmãs um pouco mais velhas que você tanto admira e tem gratidão por ter vivido junto?! Essa é Raquel. Conversamos sobre como a rotina de uma professora "em quarentena" é uma "loucura à parte". Virtualizar e democratizar aulas para diversas linguagens e formatos, contextualizar e desmitificar crenças, sair total da sua zona de conforto, sentir a saudade, a preocupação e o dever de estar junto de nossos alunxs. Estar com o corpo à serviço num regime meio 24/7 é de sa fi a dor.


Percebo que intercalar o trabalho com uma rotina que intencione uma automemoração e um desligamento do mundo "externo" é essencial para manter a "lucidez" e a "maluquez" em dia. Pois bem, vamos pensar sobre o ato de (s)e memorar, ou melhor, vamos pensar sobre experiência estética?


O processo de se auto memorar tem a ver com pensar o vivido como uma dimensão criadora onde o pensar/refletir/agir instauram situações que mudam o modo de compreender o mundo. Podemos pensar no conceito de "Instauração" para a arte contemporânea (tão presente nas criações de Tunga), onde uma obra acontece ainda no momento da montagem. Em Xifópagas Capilares Entre Nós (1984) observamos obras decorrentes de histórias ou histórias decorrentes de obras. As narrativas são uma forma de desenho que usa como suporte o tempo imaginado e apresenta no tempo vivido um testemunho ou uma cena que comprova aquela história.


Já em Tereza observamos obras geradas a partir de toda ou qualquer relação entre três elementos similares. Três eixos, três mechas, três meninas, três velas ou três bolas de sabão. Em todos os trabalhos o três é ao mesmo tempo três e um. As três chamas que viram uma de Sero te Amavi, a Trança e os questionamentos de Santo Agostinho, se comparam a força do torque no encontro das três colunas de ferro dos tripés da Trindade Tríade.


Em ambos os casos, como também no vivido, procedimento, atitude e obra se imbricam. Pequenos gestos ativam a percepção do espaço-tempo pela memória do corpo. Experiência é tudo aquilo que ativa as sensações e facilita a percepção/fixação da memória.



( Tereza - Tunga - 1998)


O que tem funcionado para mim?

- exercitar opostos: cozinhar minimalisticamente com o máximo de cores e sabores possível;

- resolver pendências super gostosas que estavam sendo adiadas como colocar as plantas e o quadrinho do casal de borboletas de Canudos no banheiro;

- furar os ganchinhos na parede do quarto de roupas;

- estudar os astros para discutir a energia dos planetas com meus alunos;

- passar a maior parte do tempo de biquíni aos finais de semana;

- me presentear com livros que desejava ler há anos

- tomar café com bolo, na companhia dele, no meio da tarde

- meditar na varanda, se possível, em todo pôr do sol

- me dedicar ao trabalho de minha análise

- escrever, se possível todos os dias, sobre os saberes que meu corpo diz em imagem

- ligar e gravar áudios para os amigos

- entender que a menina é a mãe da mulher

- reconhecer meus próprios limites

- viver um dia de cada vez.


* sexta -> só criar

* sábado -> criar e organizar

* domingo -> limpar e planejar

* segunda -> planejar e pesquisar

* terça -> pesquisar e agir

* quarta -> agir e interagir

* quinta -> agir e limpar


A frase de Lacan (no seminário 8 - a transferência), ressoa: Entre quem estamos e quem somos? Arrancar da vida a máxima extração das possibilidades da linguagem. Servir-se de Eros. Observar os bonecos de infância, os objetos da casa e seus mistérios. Ressingularizar o desejo no corpo social. Se houver uma encruzilhada, há a convocação de um rito. Como assumir um papel necessário diante de uma situação limite? Sim, a rotina como uma experiência estética. Tudo isso me forma.


Renata Santiago

22:57

Fortaleza, 17 de maio de 2020.

*63 dias de quarentena

20 visualizações

85 991432227

Fortaleza - CE, Brasil

©2020 Todos os direitos reservados.