quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Sobre 2015: intenso e impetuoso.


Acordar com uma mensagem de uma aluna querida dizendo: "Professora, a senhora é muito sociedade dos poetas mortos!". Ufa, acho que foi um ano mais incrível do que posso medir. 2015 me deixa sem fôlego só de pensar. Foi paixão com disciplina, sereia com Alice, realidade, fantasia, batalha, missão cumprida e superada. Rompi barreiras, realizei sonhos e a sensação geral é de continuidade. 

Sobre 2015: intenso e impetuoso. Nele pôde se descobrir e redescobrir o que se poderia querer. Ano de crise política e econômica que se converte em olhar local e individual. Em momentos assim precisamos encontrar nossas raízes. Isso é extremamente positivo para mim. Ano de voltar para si mas principalmente ano de doar aquilo que você tem de tesouro. 

Ano em que amarras precisaram ser quebradas para que fosse preciso caminhar com liberdade. Ano de produção, interação, inspiração. Ano em que finalizamos vendo claramente aquilo que está aí para ser visto. Humildade.

Ano de encontros, trocas sinceras, disciplina. O ano em que você vê o branco, o preto, mas sabe que prefere o rosa mesmo que a maioria não o enxergue como você. Está tudo bem. Ano em que você vê que o belo dos dias é estar presente simplesmente (e dificilmente nos dias de hoje!) de corpo inteiro, de alma limpa: com honestidade e integridade. 

Ser honesto consigo mesmo é uma das grandes lições que levo de 2015. A reflexão é que não existe exercício melhor do que estar conectado e respeitar aquele conjunto único de especificidades que te faz ser justamente quem você é, como um insight que tivemos quando criança ao se reconhecer em um personagem "qualquer". Qualquer porque se é preciso fazer pequeno para sentir-se verdadeiramente do "tamanho imensurável" que se é. 

A necessidade de escrever continua aumentando. A paz de fazer exatamente o que se fez bastante ao longo da fatia de tempo vivido e amar a calmaria e ao mesmo tempo euforia que isso tudo proporciona. Saber dizer  não sem culpa. Segurança na plantação: todos os ingredientes são os  melhores e mais especiais, doces e apimentados: como não amar? 

Começo 2016 com um querer continuar: evoluindo, conhecendo, buscando, surpreendendo, aprendendo, refletindo, permitindo.





 




Nenhum comentário: