sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Sua filosofia é para os fortes


Em momentos de sofrimento ou de busca ou de criação, me apoio na filosofia do martelo de Nietzsche. Isso não soa como novidade por aqui. Certo? E como o mesmo dizia, acredito que o seu pensamento foi realmente feito para os fortes, ou pelo menos, para aqueles que buscam ser.. já que não o somos completamente, perfeitamente. Tudo são tentativas, anseios, expectativas, conquistas e frustrações. E temos de estar preparados, pois tudo é uma pulsação sem fim.

 "Este livro pertence aos homens mais raros. Talvez nenhum deles sequer esteja vivo. É possível que se encontrem entre aqueles que compreendem o meu “Zaratustra”: como eu poderia misturar−me àqueles aos quais se presta ouvidos atualmente? – Somente os dias vindouros me pertencem. Alguns homens nascem póstumos. (p.37)"

Nesse fim de ano, estamos nos debruçando sobre a sua obra O Anticristo, publicada em 1895. Foi  nela em que Nietzche afirmou as polêmicas frases: "Deus está morto" e o "O Evangelho morreu na cruz". Pode uma vida do além ser juíza da vida terrena? Tenhamos ouvidos novos para uma música nova, olhos novos para o mais distante.

Dito isso:

"Tudo na vida refere-se à criação e destruição contínuas, sem uma finalidade, porque até o que é chamado de sujeito nada mais é que vontade de potência em suas múltiplas relações de forças, que organiza-se de um modo aqui e de outro acolá, que se forma cá e se desfaz lá em algum ponto do que parece a todos como uma grande unidade, mas que não é outra coisa senão essa pluralidade de forças e que é denominado de universo" (p.23).

---

para vocês: poucos e bons, sempre. RS.


Nenhum comentário: