domingo, 23 de outubro de 2011

Ergonomia x Moda

(Sugestões bibliográficas sobre o tema: Itiro Ilida e Fátima Grave)

A ergonomia é uma prática de estudo nova e surgiu logo após a II Guerra Mundial (contando até com uma data oficial de nascimento,  12 de julho de 1949)  em função do trabalho interdisciplinar realizado por engenheiros, psicólogos, fisiologistas.. O mais interessante da Ergonomia é que ela busca uma visão holística nas suas diversas aplicações, abrangendo atividades de planejamento, concepção de projeto assim como de controle, correção e avaliação. O seu foco é o sistema (considerando sistema algo em que todos os elementos interagem continuamente entre si) homem-máquina-ambiente e seus estudos são encontrados em quase todos os tipos de atividades humanas nos dias de hoje, inclusive e é claro, na moda.

Basicamente, a ergonomia estuda a adaptação do trabalho ao homem. Vale ressaltar que essa concepção de trabalho aqui é super ampla: não somente a utilização de máquinas e equipamentos diversos com o intuito de transformar materiais e sim toda situação em que ocorra uma ligação entre o homem e uma atividade produtiva. 

Nada de sacrifícios ou condições adversas de trabalho, a ergonomia busca prioritariamente estudar as características do trabalhador para, assim, projetar o trabalho ideal que ele consiga realizar, preservando a sua saúde. 

"Entende-se por Ergonomia o estudo das interações das pessoas com a tecnologia, a organização e o ambiente, objetivando intervenções e projetos que visem melhorar, de forma integrada e não-dissociada, a segurança, o conforto, o bem-estar e a eficácia das atividades humanas." (Definição da Associação Brasileira de Ergonomia - www.abergo.org.br) 

Para Lida (2005): "A ergonomia estuda tanto as condições prévias como as consequências do trabalho e as interações que ocorrem entre o homem, máquina e ambiente durante a realização desse trabalho." Wisner (1987) fala que a contribuição da ergonomia pode ser de concepção, correção, conscientização ou participação, de acordo com a ocasião em que é feita. 


Estudando com cuidado e critério as aplicações acerca da Ergonomia fica claro o quanto ganham as indústrias e empresas de moda que utilizam seus princípios. Para mim, o seu objetivo maior é oferecer diversas contribuições a fim de melhorar as condições de trabalho e o processo de produção do produto em si.

Engenheiros de projeto e produção podem ajudar em aspectos técnicos: modificando o local das máquinas, melhorando aspectos como espaço e iluminação dentro de uma confecção, estabelecendo fluxo de materiais, etapas e equipes para que não ocorram sobrecargas por exemplo. Acredito que nós estilistas devemos ter a obrigação de agir como "compradores": auxiliando na aquisição de máquinas, equipamentos (como melhores cadeiras para as costureiras, mesas de corte apropriadas para as modelistas) e materiais que sejam mais seguros e confortáveis. 

Observando todos os fatores que contribuem no desempenho do processo produtivo, a aplicação das noções ergonômicas aumentará naturalmente a eficiência reduzindo a fadiga, estresse, erros e acidentes. As empresas devem analisar o trabalho realizado de uma forma global, incluindo não só os aspectos físicos e ambientais, mas também os cognitivos, sociais e organizacionais.

Ou seja, um bom empresário de moda deve saber que a produção com certeza irá aumentar consideravelmente com a satisfação, saúde, segurança e bem-estar de seus funcionários. 

Nenhum comentário: