quinta-feira, 18 de agosto de 2011

As últimas palavras de Coco



Terminei de ler O evangelho de Coco Chanel de Karen Karbo. O livro é leve, divertido e ao mesmo tempo cheio de detalhes (daqueles sórdidos e escondidos) que não encontramos por aí nas inúmeras biografias de Chanel. Indico para quem realmente curte a história de vida de uma mulher que lutou todos os dias pela sua vida, pelo direito de existir da maneira como ela achava que deveria. Afinal, tudo precisa ser suportado, até mesmo os grandes amores.

Nada de romantismo, a vida vai além dos contos de fada. Dentre todos os seus clichês e ditos, ficou muito mais do que a lição simples de que toda mulher precisa ser duas coisas: chique e fabulosa. Poderia desmembrar dois adjetivos em um milhão de posturas, atitudes. "Não perca tempo batendo numa parede com a esperança de transformá-la numa porta". Engolir não sapos e sim leões.

 
 (Modelos de 1965: são os meus preferidos)


"Quantas preocupações deixamos de ter quando decidimos não nos tornarmos algo mas sim alguém". E nao há nada que me deixe mais confortável do que compartilhar com essa mulher (e estilista preferida) fantástica a máxima de que o ato mais corajoso ainda é pensar pela sua própria cabeça. Em voz alta. E sim, Estilo nada mais é do que saber quem você é e o que você quer dizer, e o melhor: não ligar a mínima.

As últimas palavras de Coco foram para a revista New Yorker em janeiro de 1971:

Preciso lhe dizer uma coisa importante. A moda é sempre da época em que se vive. Não é uma coisa independente. Mas o grande problema, o problema mais importante, é rejuvenescer as mulheres. Fazer as mulheres parecerem jovens. Então elas veem a vida de modo diferente. Elas se sentem mais alegres. 

As mulheres sempre foram as que são fortes no mundo. Os homens estão sempre procurando nelas um travesseirinho para nele encostar a cabeça. Os homens estão sempre ansiando pela mãe que os punha no colo quando eles eram bebês. As mulheres precisam sempre dizer aos homens que eles são os fortes. Eles são os grandes, os vigorosos, os maravilhosos. 

Na verdade as mulheres são as fortes. É o que eu penso. Não sou professora. Emito minhas opiniões mansamente. É são verdades para mim. Não sou jovem, mas me sinto jovem. No dia em que me sentir velha eu irei para a cama e lá ficarei. 

J´aime la vie! Acho que viver é uma coisa maravilhosa.

Nenhum comentário: