sexta-feira, 1 de outubro de 2010

As cartas de Balenciaga




Eu não poderia deixar de falar de um desfile tão esperado, aclamado e comentado como esse. A espera foi grande, mas a maison Balenciaga deu as cartas direitinho.



Com um cast indiscutivelmente de peso (destaque sempre para as brasileiras, é claro!), Nicolas Ghesquière construiu as suas apostas de primavera-verão se utilizando de um mood rebelde, funcional e com cara de guerra. Sabe aquele tal minimalismo ornamentalista? Na minha opinião de estudante, eis um belo exemplo.




(Miranda Kerr)



(Gisele Bündchen)

Andrógino e de aparência ambígua, uma hora doce e outra dura, observei uma intrigante e pertinente mistura de tendências (de comportamento) tão recriada pela estética vigente.





O desfile de Balenciaga muito me lembrou a tese desenvolvida no meu Artigo para o projeto do Bolsa Arte na UFC. Se trata da tamanha cumplicidade entre moda e música, principalmente na produção e execução dos espetáculos de moda: os desfiles.



Vocês também sentiram o doce rockabilly dos anos 1950 (modelagem, estampas, cores) com uma pitada do rock mais pesado da década de 1970 (tecidos, acessórios, face) na construção visual da coleção de Balenciaga?






Imagens: Reprodução

Nenhum comentário: