segunda-feira, 10 de maio de 2010

Diário da Psicanálise - Dia 1



O que restou da destruição do Mundo e de Deus?

O Eu, responde Montaigne. Destruída a garantia da exterioridade, sobrou a certeza da interioridade. Montaigne volta-se para si próprio, para sua consciência, e tenta desesperadamente encontrar nela a garantia da distinção entre o verdadeiro e o falso.
(3)


Escolhido o tema como em um passe de mágica. Mãos à obra!


O papel da moda no inconsciente feminino.

Proponho uma verdadeira interpretação do complexo inconsciente da moda, enveredando pelos caminhos do misterioso desejo feminino.

O meu objeto de estudo é a psicanálise. O seu lugar de manifestação, materialização: a moda. O objeto da moda: o vestuário, o corpo, o indivíduo. As influências sociais, a história, a cultura: fazedores da psicanálise, da moda. Sim, todos juntos: o ser humano.

Aceito mil comentários e sugestões. (Você estará me ajudando a construir o bicho de 7 cabeças que é a monografia)

nas funções mentais deve ser distinguida alguma coisa - alguma quota de afeto ou soma de excitação - que apresenta todas as características de uma quantidade (embora não disponhamos de meios para medi-la), capaz de crescimento, diminuição, deslocamento e descarga, e que se espalha sobre traços de memória das idéias, tal cmo uma carga elétrica se expande na superfície de um corpo. (FREUD, ESB,v.III, p.73)

A grande originalidade de Freud – escreve ele – não foi descobrir a sexualidade sob a neurose. A sexualidade estava lá, Charcot já falara dela. Sua originalidade foi tomar isto ao pé da letra e edificar a partir daí a Traumdeutung, que é algo diferente da etiologia sexual das neuroses (...) o forte da psicanálise é ter desembocado em algo totalmente diferente que é a lógica do inconsciente. (Foucault, 1979)

Qual a função psicanalítica que a moda assume na formação e manifestação da individualidade da mulher?


“Minha intenção foi tecer para a mulher, trilhando a psicanálise, uma saída ativa para a sua sexualidade feminina dando-lhe uma chance para uma escolha heterossexual e não só um aprisionamento” (1)

Vejo a moda como uma verdadeira possibilidade ativa para o sexo sempre considerado fraco, uma saída para a feminilidade, para a criação de si.

Qual é a mulher da psicanálise? Como se faz mulher pela moda?

Falta algo para a mulher freudiana: o falo. Inacabada é a mulher de Lacan, não tem significante que a referencie. "A mulher não existe"

“A moda é aqui explicada como mãe sedutora dando à mulher excitação, prazer, completude a aprisionamento.” (1)

A cada nova moda, encontrar o algo perdido, melhorar a angústia, a ilusão de completude, o não lugar feminino.

“São múltiplos e inesgotáveis os caminhos que a mulher utiliza fazendo do seu vestir o mostruário de seu desenvolvimento, de suas procuras e de suas emoções” (1)


O sonho, é a via régia (o caminho) para o inconsciente. Um verdadeiro objeto! E a moda, o que é, senão uma fábrica criadora de sonhos?!

Acredito que a psicanálise valoriza a autenticidade, o caráter diverso e único do ser humano. Não o rotula, a ponto de categorizá-lo. E sim, abre um caminho vasto para a interpretação das vontades, escolhas da vida através do estudo das demandas do inconsciente, dos objetos de desejo.

A roupa, objeto de estudo da moda e mais ainda, a maneira de vestir essa roupa, historicidade característica da moda, representa uma manifestação, uma ligação entre o sujeito e o mundo, podendo revelar e mascarar esse sujeito.

“A roupa acompanha a trama da construção de si e expressa a relação com sua imagem, expondo as marcas de fracassos ou sucessos na edificação do narcisismo. Nela descobrimos o vestígio de identificações sucessivas, bem como a lembrança das primeiras relações com os outros.” (2)



(1): Coelho, Maria José de Souza – MODA: um enfoque psicanalítico
(2): Stern, Sarah e Joubert, Catherine – Dispa-me! O que nossa roupa diz sobre nós
(3): Garcia-Roza, Luiz Alfredo. FREUD e o inconsciente – 3ª edição.


A psicanálise (assim com a moda) lida com a sugestão, a imaginação, com idéias soltas no ar, pequenos deslizes, entrelinhas.

RS.

Continua....

Nenhum comentário: