quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Yves Saint Laurent






conhecer a história de Yves Saint Laurent a fundo mecheu muito comigo. Não sei se pela magia com que ele conduzia sua vida, suas paixões, suas convicções.. não sei se pelo seu silêncio.. pelo seus rituais.. por encarar a moda como uma arte, uma verdadeira e única obra de arte. A verdade é que ele vai fazer parte das minhas referências para sempre.


saint laurent

era um grande admirador das mulheres, da mulher enquanto bicho, enquanto ser humano. Amava desvendar todos os mistérios do corpo feminino, viajar intensamente naquele projeto ambíguo e maluco.. para depois, cobri-lo com grandeza e excelência. Exaltava e adorava suas modelos manequins. Criava para elas e exclusivamente para elas. Era isso que tinha em mente e ponto. Tinha a sensibilidade, o dom de enxergar a alma de sua criação. Cuidava com todo carinho da sua inspiração e preservava seu espaço.

O silêncio era a sua marca registrada. Tinha rituais, inúmeras superstições, simplesmente vivia da beleza. Precisava dela para viver. Vivia como se não fizesse parte desse mundo, dessa realidade cruel. Era um libertário e foi com a liberdade que criou, criou e revolucionou.



Olha só:


Yves Henri Donat Mathieu-Saint Laurent (Oran, 1 de Agosto de 1936 — Paris, 1 de Junho de 2008).

Nasceu na Argélia. Aos 17 anos, deixou a casa dos pais para trabalhar com nada mais nada menos do que com o também grande inovador Christian Dior. E com apenas 21 anos de idade, herdou todo o controle criativo da casa Dior quando o seu grande mentor morreu, em 1957. Tão jovem! Assumiu muito bem o desafio de salvar o negócio da ruína financeira. Pouco depois de conseguir sucesso no objetivo, St. Laurent foi convocado para o exército francês, durante a Guerra de Independência da Argélia. Após 20 dias, o estresse de ser maltratado e ridicularizado pelos colegas soldados levaram-no a ser internado num hospital mental francês,onde ele foi submetido a tratamento psiquiátrico, incluindo terapia por eletrochoques, devido a um esgotamento nervoso. Já pensou???


Voltando à vida civil, em 1962 St. Laurent saiu da Dior e fundou sua própria marca, YSL, financiado por seu companheiro de vida Pierre Bergé. O casal se separou amorosamente em 1976, mas continuariam parceiros de negócios por mais de trinta anos. Nos anos 60 e 70, a marca se tornaria conhecida em todo mundo por sua praticidade conjugada com sofisticação, com o grande sucesso e auge de sua criatividade no lançamento do smoking feminino, que permitiria dali em diante às mulheres trabalharem de calças compridas.

o "Le Smoking", apresentado pela primeira vez em 1966 com uma blusa transparente e uma calça masculina, é a marca revolucionária de Yves Saint Laurent. Depois disso, o traje passou a desfilar em todas as coleções do estilista. Entre todas as suas criações, "le smoking", como foi chamado, sinalizava uma mudança na forma como as mulheres se vestiriam dali por diante. A liberdade dada por Chanel, agora ganhava poder com o novo traje e tudo o que ele representava - uma nova atitude feminina.
Para a inglesa Suzy Menkes, editora do International Herald Tribune, o smoking feminino de St. Laurent foi transformador: "Hoje as mulheres andam normalmente de terno e calças compridas. Isso parece normal, cotidiano, mas na época a mulher era proibida de entrar num restaurante ou num hotel. O smoking, usado até hoje, foi uma provocação sexual, dirigido à mulher que queria ter um outro papel."

Em 1966, foi o primeiro a popularizar o prêt-à-porter, a moda de bom gosto e bom corte, a preços mais acessíves que a alta-costura, em sua boutique Rive Gauche, em Paris. Foi também o primeiro estilista do mundo a usar manequins negras em desfiles de moda.

Um dos símbolos máximos da sofisticação e do bom gosto em moda por quase quatro décadas, amigo de algumas das mais ricas e famosas mulheres do mundo, todas suas clientes fiéis.. como Diane von Furstenberg, Loulou de La Falaise e Catherine Deneuve.

St Laurent, com a parceria administrativa de Bergé, transformou a YSL num ícone da moda, que apresentou mais de setenta coleções de alta-costura e lançou uma infinidade de produtos que levam sua marca e são vendidos em toda parte do mundo.

Em 1983, ele se tornou o primeiro designer de moda vivo a ser honrado com uma exposição de seu trabalho no Metropolitan Museum of Art em Nova Iorque. Em 2001, recebeu das mãos do presidente da França, Jacques Chirac, a Legião de Honra (Ordre National de la Légion d'Honneur ), no grau de Comandante. Com Pierre Bergé, ele criou uma famosa fundação em Paris, que mostra toda a história da casa YSL, com mais de 15 mil objetos e 5 mil peças de vestuário.

Em janeiro de 2002, o estilista anunciou que estava deixando o mundo da moda durante a apresentação de um desfile seu, que trazia uma retrospectiva de todas suas criações, ao longo de seus quarenta anos de carreira. Ele simplesmente não aguentava mais esse mundinho da moda.. comercial demais para o seu gosto.. não conseguia e não queria se submeter a prazos, correrias, um bombardeamento de pressa sem sentido. Pra q????????


St. Laurent morreu em Paris, diagnosticado com câncer cerebral, às 23h10min de 1 de junho de 2008.



«“Nada é mais belo do que um corpo nu. A roupa mais bela que pode vestir uma mulher são os braços do homem que ela ama. Mas, para aquelas que não tiveram a sorte de encontrar esta felicidade, eu estou lá.”» (Yves St. Laurent)

Nenhum comentário: