sexta-feira, 25 de julho de 2008

anos 70 - a era do individualismo?








O estilo hippie da década de 60 continuou.. e com ele a boca-de-sino, várias estampas, cabelos longos, batas de todo jeito.. assim foi o começo da movimentada década! A moda diferente já estava bem consolidada.. sempre prevalecendo o espírito jovem que prefere, antes de mais nada, praticidade e conforto.
Observamos também algumas pinceladas de revivalismo, uma inspiração no passado romântico, mas com cara nova.. era o New Romantic! O novo romantismo trazia estampas florais, acabamentos de renda, chapéus de palha e vários outros acessórios com ares bem românticos. (e tudo com muitos muitos volumes, especialmente nas saias).
Houve também o contraste - mulheres que queriam ser reconhecidas como independentes, trabalhadores, e para isso, usavam terninhos, costumes ou a saia com casaco.
Grande ênfase nas roupas esportivas.. e jeans de todo jeito.
Paris lança a novidade: uma feira de moda têxtil. Serviria para direcionar as tendências e diminuir os riscos da produção, bom pra todo mundo. Surgiu então um verdadeiro comitê de estilo: a Première Vision (ainda hoje é a principal feira dos industriais têxteis). Acontece duas vezes por ano (em Março e Outubro, mostrando os lançamentos de primavera/verão e outono/inverno respectivamente).
O resultado de tanta inovação foi a difusão dos bureaux de style, escritórios de moda que estudam e pesquisam os mercados, as tendências, os comportamentos vigentes e a partir daí, dão sugestões para "a moda". O principal da época foi Promostyl que ainda hoje está a todo vapor.
Os tecidos variavam de sintéticos até os rústicos (muita blusa de lã - de tricô). Grande diversificação na camisaria, teve também a onde do unissex. A ligação forte entre moda jovem e grupos musicais também começou aqui. Nos pés: bota de cano alto e salto plataforma!
Já em Londres, por volta de 74-75 surge o movimento dos estudantes desempregados - o "No Future".. cujo lema era agredir e dizer um NÃO bem grande contra a sociedade que não os aceitava, não os queria. Eram os punks! Roupas rasgadas, jaquetas de couro preto, botas surradas e muito metal. E foi lá na King´s Road que a grande matriarca Vivienne Westwood intelectualizou o movimento e criou roupa para seus jovens punks. Tudo bem preto, rasgado e sujo(no bom sentido, é claro)!
Lá pelos EUA, Calvin Klein e Ralph Lauren vieram com novas propostas: um estilo mais prático e versátil. Surgiu o conceito de "griffe", que significa garra.. ou seja, deixar a marca, a cara, a personalidade, a garra do criador (nós estilistas) na peça criada. Uma arte maravilhosa! Uma moda mais acessível, mas assinada e com estilo.
O que vemos é uma moda incrivelmente variasda, com diversos estilos bem loucos e diferentes que conviveram muito bem entre si. O que os unia? a jovialidade, a juventude. Foi a grande democratização da moda.

Viva os anos 70!

Nenhum comentário: